sábado, 27 de dezembro de 2014

Massa de Pastel na Alemanha

Um dos programas que não pode faltar toda vez que volto pra nossa terrinha é aquela passadinha básica na feira (no trailer do japa) para comer um pastel bem crocante de carne e tomar uma guaranita. Bom, comer pastel só uma vez por ano (a frequência na qual volto) é muito pouco e por isso fiquei mega feliz com a dica de um casal de brasileiros aqui da nossa cidade: existe uma massa bem parecida com a de pastel aqui na terra das batatas: Maultaschenteig!

Eu que já amava Maultaschen passei a gostar ainda mais da invenção dos "Schwaben". A massa é realmente bem parecida e fácil de achar:

 (o blogger rodou a foto e vai ficar assim mesmo, a preguiça está tão grande que nem esse trabalho me dou)
Você pode rechear com o que quiser (eu fiz de carne moída, de queijo com tomate e orégano e como se não bastasse a gordice, de chocolate). É bom passar uma pincelada de água na massa antes de rechear (só do lado de dentro) pois a massa é mais sequinha que a de pastel. Acho que essa é a única diferença. Antes de fechar passe bastante água nas bordinhas (serve de cola) para fechar bem. Na hora de fritar espere o óleo ficar bem quente:


Frita muito rápido, então não descuide. Arranque uma pontinha para o vapor sair e você não queimar o canto da boca (um clássico). Se delicie e mate a saudade com essa delícia (nada light) do Brasil:


quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Ceia de Natal especial

Natal é (no geral) uma época muito família e a noite mais importante - a véspera - é para muitos brasileiros expatriados na Alemanha uma ocasião triste. Conheço muitos que pagam uma fortuna na passagem de avião e voltam no desespero para casa (nem que seja para passar uma semaninha), outros se reúnem com os expatriados da região e fazem uma festa de natal com direito a peru e amigo secreto com desconhecidos, outros se matam (ouvi dizer que a taxa de suicídio é altíssima nessa época). Eu e meu namorado optamos sempre por ficar em casa curtindo o sossego do lar e a cia um do outro... quer coisa melhor?

Ano retrasado eu até tentei fazer algo especial, um ganso recheado (ainda na fase de querer aderir aos costumes alemães). Uma peninha, além de ter saído uma fortuna e ter dado um trabalho do cão, ficou péssimo, nunca jogamos tanta comida fora!

"Vorfreude ist die schönste Freude"

Ano passado fomos mais práticos (depois do ganso bizarro melhor não inventar moda novamente) e fiz berinjela à milanesa, salada de rúcola, salpicão e um steak pra lá de bom. Bebemos e comemos como se não houvesse amanhã (modéstia à parte, ficou melhor que peru):


Esse ano, analisando bem, percebemos que não vale a pena passar o dia e a noite cozinhando, dormir quase explodindo e acordar arrependido. Por isso optamos pela praticidade: nada de ceia de natal (no dia 25 faremos um almoço gostoso).

Por isso hoje foi um dia normal de férias: fomos correr (e descobri que meu joelho não está curado), comprar o estoque de comida para os próximos dias (aqui tudo fecha no feriado... saudades do EXTRA 24h) e ficamos o dia todo à toa, delícia! Nem "almoço de verdade" fiz, só uma carninha moída básica para rechear os pastéis:


Mais tarde o namo, enquanto fazia tabule, me perguntou: "o q vamos jantar?". E viva o SoBoRô! A ceia do natal de 2014 foi arroz de anteontem, carne moída que sobrou do pastel e o tabule recém pronto (ainda morno). A decoração de natal eram os guardanapos natalinos dos anos anteriores, tudo muito fino (#sqn):


De sobremesa? Caprichei: descasquei uma laranja para o namo sem arrancar nenhuma lasca grossa e peguei uns quadradinhos de chocolate do mais vagabundo pra mim...

..e se eu falar que foi a melhor véspera aqui em Augsburg, alguém acredita?? Acho que ano que vem faço um miojo com ovo, adoroooooo (e juro que não estou sendo ironica, no Natal não pode)!

Feliz Natal pra todo mundo :*

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

bahn.bonus - Pontos de Natal!

Eu sei que nos últimos dias (pra não dizer horas) eu postei frenéticamente e eu juro que vou me controlar, mas é que eu estaria sendo injusta com o mundo dos colecionadores de pontos da Deutsche Bahn em não compartilhar o mais novo jogo de natal, que garante 250 pontinhos de graça. Eles (DB) já me fizeram feliz pouco tempo atrás então não achei que fossem doar pontos até o ano que vem... mas às vezes me engano huhuhu.
Admito que o joguinho é irritante, então desligue o som do PC, pegue aquela xícara de chá de camomila e jogue alguns minutos da sua vida fora (sem se estressar muito)... Eu já brinquei com o minha conta até o limite máximo, agora vou juntar pontos pro namo (que está na confraternização de natal da empresa enquanto eu morro de tédio nessa noite fria e chuvosa). Viel Spaß!




Capricious da MAC (my favorite)

Eu sempre achei frescura da mulherada esse amor pela MAC. Uso batom desde que me conheço por gente e não digo que não existe diferença entre L'Oreal e alverde, mas nunca encanei em um batom ou uma marca... até que a maldita MAC também me pegou.

Minha irmã já havia me pedido para trazer um batom da MAC para ela dois anos atrás. Foi difícil achar, mas encomendei pelo site da Douglas, mandei por correio e o assunto morreu (pseudo morreu.. minha mãe só falava da merda do batom da minha irmã).

Um ano atrás fui para os EUA com o namo passar férias e quando estávamos no aeroporto tive a brilhante idéia de comprar os presentes de natal para a mulherada de casa lá, já que o batom da MAC custava apenas 15 dólares (e eu havia pago 18 euros na Alemanha). No impulso comprei 5 batons e resolvi mandar 3 por correio de presente (um para a mamita e um para cada irmãzita). Para não ter briga e discussão em casa (qual é melhor etc.) embalei os três com o mesmo papel e falei pra elas assim que o pacote chegou: "vocês podem brincar de sortinha ou cada uma escolhe o seu". Elas brincaram de sortinha e ficaram mega felizes (os três eram realmente lindos).

Fiquei com dois batons aqui em casa (não ia comprar para mim, mas o namo disse: "Para com isso vai... você tá levando pra todo mundo menos pra você! Tá baratinho..."). Logo comecei a usar o Capricious e desde então ele não sai da minha bolsa...

 

...ou melhor: não saía... não é que ele acabou depois de um aninho??!! Aqui um registro da cor pouco antes da morte do coitado:




O namo, tentando achar algo para me dar de presente de natal, perguntou ontem: "como é que chama mesmo esse batom da MAC que acabou e que você adora?". Não fiz mistério e além de falar o nome do batom, falei que tem para encomendar na Douglas (ele estava procurando na Amazon, sem sucesso claro). Ele encontrou rapidinho e se espantou: "sabe quanto custa o kg desse seu batom???!!". A continha ele fez rapidinho: 3g por 20 euros --> 6.666,67 euros por kg!! Admito que também assustei, mas poxa, dura um ano vai!

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Academia Online

Empresa fechada = academia e cursos da empresa de férias. Por isso, a professora de pilates da empresa nos deu uma dica para treinarmos nas duas últimas semanas do ano de graça e em casa: o portal de fitness online www.fitnessraum.de. Na verdade você precisa pagar uma mensalidade para ver os cursos, mas o seguinte código te dá direito a testar o site por duas semanas sem gastar nada:

Gutschein-Code: HTL14GXRPLS

Eu recomendo ativar hoje, já que o cupom vale por 14 dias, mas vence dia 31.12.2014. A parte boa: você não precisa cancelar a conta no fim (não existe nenhum tipo de contrato ou obrigação). 

Eu já fiz duas aulas essa semana e adorei:

- Pilates intensiv - Grundkurs dynamic (35 min)
- Athletic Workout - Komplettkurs (65 min)

Para quem nunca fez academia acho perigoso (é melhor não fazer nada do q fazer exercício errado), mas para quem já pratica esporte e tem disciplina é uma alternativa interessante... viel Spaß!

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Cookies (à la Subway)

Ingredientes (20 Cookies):

- 280 g de farinha de trigo
- 250 g de manteiga
- 100 g de açúcar mascavo (Braunzucker)
- 130 g de açúcar refinado (normal)
- 2 ovos
- 1 colher de chá de bicarbonato de sódio (Natron)
- 1/2 colher de chá de sal
- 1 pacotinho de 8 g de açúcar de baunilha (Vanillezucker)
- 90 g de chocolate ao leite picado em pedacinhos (aprox. 1x1cm)
- 90 g de chocolate meio amargo picado em pedacinhos (aprox. 1x1cm)

Preparo:

Misture a manteiga com os açúcares e o sal até obter um creme grosso e homogêneo (para facilitar deixe a manteiga fora da geladeira por um tempo antes de misturar). Adicione os ovos e o açúcar de baunilha.
Misture 2 colheres de sopa da farinha de trigo com o bicarbonato de sódio e separe (importante para dar a estrutura certa para os cookies, deve ser adicionado logo antes dos cookies irem para o forno).
Adicione o resto da farinha à massa (aos poucos, sempre mexendo entre uma colher de farinha e a próxima). A massa fica bem grossa e difícil de misturar. Adicione a misturinha "bicarbonato de sódio + farinha" e os chocolates picados:


Agora é só distribuir a massa em uma forma ou em papel manteiga para forno (Backpapier). Não se preocupe em fazer cookies bonitos pois a manteiga derrete e ele fica redondinho e fininho independente do capricho nessa hora. A massa rende 18-20 cookies (duas fornadas):


Asse por aprox. 8 minutos (150°C) até as bordinhas ficarem ecurinhas. O centro do cookie parece meio molhadinho, mas assim que esfria fica no ponto!


Agora é só saborear e tentar não pensar na quantidade de calorias e gordura que você está ingerindo:

Einstand / Ausstand

Aqui na Alemanha é comum (e esperado) que o funcionário novo dê uma festinha quando entra na empresa ou departamento (Einstand) e faça uma festinha de despedida quando parte (Ausstand). Quando você é apenas estudante não precisa fazer (mesmo pq vc geralmente fica só um semestre lá). No fim da minha dissertação de mestrado eu queria me despedir de todos (tinha trabalhado dois anos e meio como estudante e gostava muito de lá), mas como não tinha dinheiro, não fiz um Ausstand. Comprei vários pacotinhos de Gummibärchen, escrevi uma mensagem de agradecimento personalizada para cada um, grampeei no pacotinho e entreguei pessoalmente para cada colega de trabalho (do escritório e da produção... 70 pessoas!). Saiu super barato e o pessoal gostou bastante (mais pelo carinho que pelas balinhas rs).

Quando arrumei o primeiro emprego de verdade, pesquisei sobre o assunto e percebi o quanto é importante fazer um Einstand (os alemães esperam isso de você e é uma oportunidade de quebrar o gelo com os colegas novos, despertar simpatia). Conversei com uma colega nova que entrou no mesmo dia que eu e decidimos fazer o Einstand juntas logo depois do Probezeit (que era de 3 meses). Convidamos o andar todo (umas 30 pessoas), ela comprou Butterbrezel e fez dois bolos, eu fiz pizzas enroladas, torta salgada e dois bolos também. Pagamos café para todo mundo e a minha parte da brincadeira ficou em uns 20 euros (mais a trabalheira). Todos compareceram, foi animadinho e não me arrependi de ter feito (apesar do comentário de um infeliz de outro departamento mas do mesmo andar: "o q estamos comemorando aqui??").

Como a minha despedida aconteceu um ano e pouco depois, resolvi não chamar todo mundo que foi no Einstand (mesmo pq, nessa altura do campeonato já odiava mais da metade do pessoal... e não queria gastar meu tempo, dinheiro e paciência com eles). Três dias antes de partir levei uma torta e um bolo, coloquei na cozinha do andar com um bilhete avisando que estaria somente até sexta lá e que era para a pessoa se servir se quisesse. Como minha sala ficava na frente da cozinha, vi todos que pegaram um pedaço. 80% passou na minha sala para falar comigo, 20% pegou um pedaço e não olhou na minha cara... Fiquei feliz por não ter feito um Ausstand para o andar todo.

Para o nosso time (umas 12 pessoas) fiz minhas pizzas enroladas novamente, um bolo, comprei mini chocolatinhos mistos (Ritter) e paguei o café.


Fiz na hora do almoço do último dia e fiquei feliz por ter feito (mesmo contando os minutos para finalmente colocar os pés para fora da empresa e não voltar nunca mais). Todos do departamento compareceram e, para a minha surpresa, me deram flores, uma cesta cheia de produtos regionais e um livro de receitas (com direito a discurso falso, feito pela pessoa que mais me odiava):


Fui embora com a consciência leve e com a certeza de que fiz a minha parte. Admito que até derramei algumas lágrimas. Bom... Ausstand significa Einstand próximo (trocar de emprego dá trabalho rs). Assim que comecei na nova empresa combinei com a amiga que estou substituindo e com a assistente do time que também saiu da empresa agorinha de fazermos uma festinha só (Einstand meu e Ausstand delas). Se eu fosse fazer sozinha, teria feito somente para o pessoal do escritório (umas 20 pessoas), mas como éramos três, fizemos para todos do departamento (quase 70 pessoas incluindo o pessoal da produção). Fizemos um almoço dois meses depois que entrei, um dia antes da partida de uma delas e uma semana antes da partida da outra.

Sei que é clichê, mas pão com salsicha aqui na Alemanha não tem erro. Compramos 150 pães e 140 salsichas (tudo encomendado e do bom). Também compramos mostarda e ketchup, dois baldes de salada de batata, tangerinas infinitas, Lebkuchen (tipo pão de mel de natal), 6 bolos (cada uma delas assou dois, eu comprei dois Bienenstich pq não tenho cozinha no meu "apertamento"), coca, suco de laranja, água, café... Decoramos as mesas com guardanapos natalinos e na hora marcada no convite estava tudo lindo e pronto para ser devorado. A brincadeira saiu carinha (só a minha parte deu 125 euros) mas para a qualidade e quantidade de comida (sobrou horrores) foi relativamente barato. Não pretendo repetir a dose no meu Ausstand, mas pelo menos um café da manhã para os colegas do escritório devo preparar.... mas calma... só em janeiro de 2017 (espero eu!).

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Segurança

Na verdade queria escrever esse post faz tempo, mas sempre acabava adiando. Acontece que ontem fiquei sabendo de mais uma coisa que aconteceu com alguém próximo e resolvi que é hora de compartilhar com o mundo o que tanto me incomoda no Brasil (e acho que o principal motivo que me leva a não ter planos para voltar para o meu país e para perto da minha família tão cedo). Resumindo em  uma palavra: “segurança”.

Quando você nasce e cresce no Brasil, você acha normal não andar sozinho depois que escurece, andar com um trocado no bolso para o bandido caso seja assaltado (e o resto do dinheiro escondido no sutiã, pq o tênis pode ser que eles levem), ligar de dentro do taxi e avisar para a pessoa do outro lado da linha que você pegou um taxi na estação x e deve chegar em 10 minutos (falando alto para mostrar para o motorista que alguém sabe onde você está). Você também evita andar de bolsa, de relógio, com jóias ou com aquele óculos caro que você tanto ama (e economizou meses/anos para comprar). Mesmo que você goste de bater perna sozinho ouvindo a sua playlist favorita com seu mp3, procura estar com alguém e esconde o mp3 e os fones dependendo do lugar. Em alguns casos, melhor nem levar o mp3, né? Aaaaa e caso você faça questão de ter um iPhone5, compre um mais baratinho e ande com os dois para que o ladrão só leve o mais barato (ou não... agora eles levam os dois, já aprenderam essa técnica e estão espertinhos). A gota d'água foi quando minha mãe me contou esses tempos atrás (toda orgulhosa) que agora ela tem um "seguro-bolsa". Oi?!! O q é isso?? E ela me explicou que da próxima vez que roubarem a bolsa dela, ela recebe x reais pela bolsa e ela não paga muito por mês para ter essa segurança, ótimo né??

Ontem minha sogra pediu para o namo trazer mais um celular pra ela quando ele for pro Brasil... é que quando ela estava no salão fazendo as unhas na sexta feira, dois mocinhos armados levaram todas as bolsas das clientes... 14:40 da tarde... normal né?? Aconteceu exatamente a mesma coisa com a minha melhor amiga alguns meses atrás também... Ela não estava muito revoltada quando me contou não.

Hoje eu sei, isso tudo não é normal. Isso é absurdo. Eu não consigo mais contar na mão todos os abusos e assaltos pelos quais minha família passou. Resumindo:

- mais de 10 bikes roubadas, a maioria do quintal de casa, na rua foram "só" duas vezes: uma vez jogaram minha mãe no chão (eu acho que tinha uns 10 anos e fiquei assustadíssima) e uma vez tomaram a bike da minha irmã mais nova, que estava andando sozinha na rua de casa durante o dia (irresponsabilidade dela, né gente? :P)

- limparam nossa casa duas vezes (ainda bem não estávamos lá, mas é horrível você chegar na sua casa arrombada e ver todas as suas coisas reviradas)

- limparam minha república uma semana antes de eu vir para a Alemanha (também não tinha ninguém lá)

- colocaram uma arma na boca do meu pai para levar o carro (durante o dia, do lado da casa da minha avó)

- colocaram uma arma na cabeça da minha mãe para levar o carro na frente de casa (mas a doida acelerou e por sorte não levou um tiro)

- derrubaram o portão de casa de madrugada para levar o carro da garagem (meu pai gritou loucamente da janela, os caras fugiram e voltaram na semana seguinte para buscar o carro)

- colocaram uma arma na minha cintura para levar a minha bolsa quando eu tinha 13 anos (vamos fingir que a história acaba aí)

- roubaram a bolsa da minha mãe na rua quando ela estava caminhando para o centro

Cansei de listar os acontecimentos... mas dá pra sentir o drama né?? Meus pais não dormiam quando estávamos pra rua... aquele medo de que alguma coisa ruim fosse acontecer era constante, coitados. Mas meus pais me dizem que eu exagero quando falo que a situação no Brasil é crítica. Quando minha bike foi roubada em Mannheim, minha mãe disse: "tá vendo, todo lugar é igual". P*rra, a bike estava trancada na rua! Ninguém entoru no meu apê e ninguém me jogou no chão pra levar a bike. Eles acham que eu exagero quando digo que não dá para comparar.

Não, não dá para comparar. A violência e a quantidade de roubos na Alemanha está aumentando, mas não ando com um trocadinho pro ladrão e não tenho medo quando estou tirando dinheiro no banco. Ouço o meu mp3 no transporte público a caminho do trabalho e vou e volto para a academia a noite sozinha (levemente paranóica por causa dos traumas do Brasil), e nunca me aconteceu nada. Fui seguida uma vez, admito, mas era de madrugada no centro da cidade (a gente tem que tomar cuidado em todo lugar, né?). Agora me diz, como voltar e continuar levando a vida com a segurança e o sossego que tenho aqui?

Não, não dá... infelizmente.

Sushi Caseiro

Não me considero uma boa cozinheira, mas meu Sushi fica muito bom (o namo pode confirmar)!! Por isso repetimos a dose no sábado e dessa vez vou postar a receita aqui para o mundo imitar caso queira (e tenha a paciência necessária rs). Como nós amamos o de salmão, acabo fazendo quase tudo desse sabor mesmo. Vou colocar as fotos dos ingredientes para facilitar para quem nunca fez.

Ingredientes e preparo (3-4 pessoas):

Arroz
- 450 g de arroz para sushi
- 600 ml de água
- 100 ml de vinagre de arroz já temperado (se não achar temperado tem que procurar a receita de como temperar, sorry)

 

Lave o arroz até qua a água da lavagem fique transparente e escorra. Coloque o arroz em uma panela com os 600 ml de água e deixe de molho por 20 minutos. Tampe, ligue o fogo (médio) e assim que a água comecar a ferver, abaixe o fogo para o mínimo. Cozinhe o arroz no fogo baixo por 7-10 minutos (até a água secar mas sem queimar o fundo). Tire a panela do fogo e coloque um pano de prato entre a panela e a tampa. Deixe descansar por 10 minutos. Misture o vinagre e espere esfriar para poder enrolar os sushis (e também formar os nigiris caso queira).

Recheio
- 600 g de salmão fresco (Sushi Qualität): nós compravámos sempre o salmão no mercado central ou na peixaria da cidade e o preço do quilo variava de 23 a 30 euros por kg, mas um alemão nos deu a dica de que o salmão do ALDI (pacote com 300g de norwegischer Lachsfilet) é muito mais barato (13 euros por kg) e tão bom quanto. Fizemos o teste com o mais barato e aprovamos (na embalagem vem o aviso de que não tem qualidade para ser comido crú, comemos no sábado e ainda estamos vivos... nada de dor de bariga ou afins.. fica à critério de cada um arriscar ou não, mas o bolso agradece!).

- 2 abacates

Para os sushis corte o salmao em tiras de aproximadamente 1 cm de largura (tirinhas da direita) e os abacates também. Para os nigiris em fatias bem fininhas de 2 ou 3 cm de largura e uns 4 ou 5 de comprimento (lado esquerdo do prato):


Sushi
- 5-8 folhas de algas cortadas ao meio (depende de quantos nigiris e sashimis você também vai fazer)
- wasabi

 

Você também vai precisar de um tapetinho de bambú ou madeira para enrolar os sushis. Envolva o tapetinho com "filme plástico de cozinha" (Frischhaltefolie) para que o arroz nao grude e você nao precise limpar a madeira depois. Coloque a alga com o lado opaco para cima e espalhe uma fileira de wasabi da alga (no local indicado na foto). Espalhe o arroz deixando uma borda de pelo menos 1,5 cm no final e coloque o recheio desejado no meio (no meu caso, salmao):


Posicione a alga no canto do tapetinho (no meu caso puxei o lado com wasabi um pouquinho para baixo de modo que a alga ficasse retinha e bem na bordinha). Enrole o tapetinho no sentido da foto até formar um rolinho (chege somente até a linha vermelha):


Passe água na parte da alga que sobrou do seu rolinho (acima da linha vermelha) e empurre o rolinho por cima (de modo que a alga com água grude e o rolinho fique lacrado e colado). Repita o procedimento até fazer todos os rolinhos:

  


Para quem nunca fez recomendo que veja um vídeo no youtube de como enrolar (tenho preguica de fazer vídeos e para mostrar com fotos teria que tirar muitas fotos, o q também me dá preguica).

Agora é só cortar os rolinhos em 8 partes (se você quiser sushis mais altos, corte em 6). Eu sempre corto primeiro o rolo ao meio, depois as duas metades ao meio, e as quatro metades ao meio novamente. É importante usar uma faca bem afiada e sem serra. Molhe a faca antes de cortar para que o arroz nao grude. Caso sua faca nao seja muito boa (como no meu caso), faca um furo no rolo no local onde quer cortar com a ponta da faca antes de comecar o corte para ficar mais fácil e você nao amassar o sushi:


Os nigiris você molda com as maos (uma mao de conchinha, coloque arroz e molde usando a outra... os bolinhos ficam como na foto abaixo):


Passe wasabi no salmao (como se fosse a cola) e com um pouco de pressao fixe o peixe no bolinho de arroz (nao tirei fotos do processo, sorry, mas o post se chama "sushi caseiro" e nao "niguiri caseiro").

Agora é só arrumar os sushis e os nigiris em pratinhos e servir com shoyu e gengibre. Também gosto de deixar algumas fileiras de abacate ao natural para comer com shoyu: 



ps. rende mais que nas fotos, é que enquanto vou fazendo vamos comendo ;)

Fica perfeito e sai MUITO mais barato que comer fora.

domingo, 7 de dezembro de 2014

Weihnachtsfeier do trabalho

E todo ano é sempre igual... no final do ano tem a famosa festa de natal! (nossa, rimou :P)

Trabalho desde 2009 aqui na terra gelada e todo fim de ano participei de alguma confraternização da empresa no fim de ano. Não existe um padrão: já teve churrasco, boliche com jantar mexicano, caça ao tesouro (umas quatro horas ao ar livre com temperatura negativa, delícia)...

Esse ano estava um pouco preocupada pois sou nova na empresa, não conhecia praticamente ninguém (cada funcionário está prestando serviço em uma empresa diferente) e no convite só havia o ponto de encontro/partida (e não o q iríamos fazer e onde). Para ajudar, a confraternização foi na cidade da empresa, que não fica em nenhuma das duas cidades onde moro... Surprise surprise...

Meu ânimo já não estava dos melhores por ter que gastar minha preciosa sexta com pessoas X, dormir sozinha num Dorf (vila fim de mundo) longe do namo e ter que acordar 7 da manhã no sábado para finalmente pegar um trem para Augsburg e não chegar muito tarde aqui... mas sempre pode piorar.

Cheguei na cidadezinha meia hora antes, tempo suficiente para comprar uma pasta e escova de dente (esqueci em casa) e ainda passear no mercadinho de natal (que por sinal era fofíssimo e foi a melhor parte da noite). Chegando no ponto de encontro (a própria empresa), me deparei com três estranhos. Me apresentei, eles se apresentaram, fiquei ali ouvindo a conversa deles sem saber o que falar.

Mais pessoas chegaram, mas a situação não melhorou (meu nível de timidez aumenta exponencialmente de acordo com o número de pessoas presentes, coisa de bicho do mato). Finalmente saímos para o local de destino: um restaurante fino (desses com mais de um jogo de talheres na mesa, bem a minha cara #sqn). Sentei em um canto com um casal da idade dos meus pais, um outro cara da idade do meu pai e uma "menina" da minha idade (a única com quem não tinha assunto, por sinal). Agora era só aguentar mais algumas horas... Parece simples, mas não foi.

Tudo começou com o cardápio: macarrão ou peixe, o que é menos provável de causar vexame? Optei pelo número 2... infelizmente! Enquanto todos comiam com o garfo na mão esquerda e a faca na direita (coisa que eu mesmo com treino ainda não aprendi) todos os pedaços de peixe sem encontrar um único espinho, eu lutava com os espinhos entre meus dentes, na garganta e enfiados na gengiva. O guardanapo serviu de cortina para a minha luta bucal 50% do tempo. Eu queria sumir.

E para ajudar (talvez por causa do nervosismo), eu comecei a sentir uma dor abdominal fortíssima e uma queimação desagrável. Uma dor de barriga era tudo o que eu precisava nesse momento... só digo que infelizmente eu não era a única no banheiro nesse momento tão pessoal (acho que era a mulher do dono da empresa na cabine ao lado, nunca saberei, melhor assim).

A noite não passava, eu procurava ser simpática mas não conseguia esconder meu desconforto (físico e psicológico). Ficamos até o restaurante fechar (ieiiiiii)... Não diria que foram as 5 horas mais longas da minha vida, mas foi uma noite longa.. muiiiito longa.

Chegando no hotel tomei um banho e me deitei... como eu odeio Weihnachtsfeier! Foi uma tortura obrigatória nos últimos 3 anos (ano passado rezei para ficar doente e não poder ir)... ainda bem que a próxima é só daqui a 12 meses!

ps. vou fazer uma campanha: por um mundo onde não é chato não querer participar de eventos sociais com pessoas que não gostamos ou não conhecemos e não queremos conhecer!

sábado, 29 de novembro de 2014

Sopa de Cenoura com Laranja

E depois de tanto encher o saco do namo para experimentar uma receita de sopa, finalmente fizemos a deliciosa sopa de cenoura com laranja do livro novo que comprei (sim, mais um... acho que prefiro livros de receita que bolsas rs). Deu muito certo e acho que é a sopa mais gostosa que já fiz. Até o namorado, que ajudou no preparo mas ficou o tempo todo gorando para dar errado, elogiou e repetiu... Tcharaaaaaaan:


Ingredientes (3-4 pessoas):
- 500 g de cenoura descascada e ralada
- 150 g de batata descascada e ralada
- 4 cm de gengibre fresco descascado e picado em pedacinhos pequenos
- 2 colheres de sopa de azeite de oliva
- 1 litro de caldo de legumes
- 1 laranja
- 100 g de creme de leite ou requeijão (Schmelzkäsezubereitung)
- 1 pitada de curry
- sal, pimenta, 1 pitada de açúcar
- 1/2 colher de chá de tomilho desidratado
- salsinha

Preparo:
Esquente o óleo e frite a cenoura, a batata e o gengibre. Jogue o caldo de legumes e cozinhe os legumes por 15 minutos na panela tampada. Descasque a laranja (tirando toda a casca, até a parte branca), separe os gomos e pique-os em pedaços pequenos (cada gomo em 3 ou quatro partes). Adicione à sopa e cozinhe mais um pouco. Com um mixer transforme a sopa em um creme homogêneo. Tempere com o creme de leite, sal, pimenta, tomilho e açúcar. Misture bem. Na hora de servir polvilhe com salsinha (lavada e picadinha). Coloquei parmesão ralado por cima e também ficou bom... bom apetite!!

sábado, 22 de novembro de 2014

Extrema direita

Já li opiniões controversas sobre o tema preconceito na Alemanha... agora é a minha vez de compartilhar minhas experiências.

Quando vim pra cá em 2009, estava um pouco insegura (principalmente pq meu pai falou muito para eu ficar atenta com relação ao preconceito e nazismo). Depois de uns 5 meses morando em Mannheim (uma cidade muito internacional) me sentia livre, leve, solta, segura. Nazistas?? De onde tiraram essa idéia?? Para mim isso parecia coisa do passado... até eu passar por uma experiência nada agradável (no mesmo dia em que tinha decidido prolongar minha estadia em mais 6 meses):

Segunda feira, 22 h, eu e mais 2 caras em uma estação no centro da cidade perto da estação central. Eles tinham a cabeça raspada, tatuagens no pescoço, "cara de nazista". Eu estava parada, quieta, enquanto eles me encaravam. O primeiro começou a falar comigo:

- Eii mocinha, de onde você é?

Não respondi, ele não parecia ter boas intenções. Ele insistiu:

- Fala pra gente de onde você é.. Que língua você fala??

Ao não obter resposta perguntou em inglês. O outro disse (ou melhor, gritou) em alemão:

- Eu sei que você entendeu a pergunta... Você sabia que nós odiamos estrangeiros?? Nós gostamos de estrangeiro para uma coisa... para bater. Da última vez batemos tanto em um que ele quase morreu! (e riu histericamente, totalmente psico o cara!)

Chegaram mais perto, meus olhos cheios de lágrimas... medo, muito medo.

Um grupo de pessoas "normais" chegou no ponto junto com o tram (Straßenbahn). Eles pegaram o mesmo trem que eu. Me sentei longe e fiquei torcendo para que eles não viessem atrás de mim. Eles desceram um ponto antes do meu. Corri pra casa. Chorei como se não houvesse amanhã. Medo, que sensação horrível. Pensei seriamente em voltar para o Brasil e nunca mais voltar.

Depois disso conversei com algumas pessoas sobre o assunto e descobri que muitos estrangeiros passaram por situações humilhantes aqui. Uma brasileira negra foi ofendida por uma criança alemã em uma loja: "O q vc está fazendo aqui, seu chocolate idiota?", um amigo indonês recebeu guardanapos sujos na cara seguidos de: "Sai daqui, seu estrangeiro de merda", e por aí vai.

Alemães "puros" de gerações mais antigas (da época da guerra) muitas vezes ainda tem preconceito e passam isso para os mais jovens. Também existe a associação do aumento da criminalidade com o aumento de imigrantes, o q fortalece o preconceito contra estrangeiros em geral (inclusive os de bom coração e trabalhadores, como eu).

Também tenho que admitir que muitos alemães são abertos e curiosos. Ficam felizes com a mistureba aqui na Alemanha e ajudam no q for preciso. A maioria desses alemães já viajou bastante ou tem estrangeiros na família...

Acontece que o movimento de extrema direita vem aumentando cada vez mais. Quanto mais internacional a alemanha fica, maior a resistência contra a imigração e contra os imigrantes. É um assunto muito delicado que merece e ganha cada vez mais atenção.

Sei que muitas pessoas só tiveram experiências positivas (e desde 2009 nunca mais passei por nada parecido), mas acho importante que as pessoas saibam que o nazismo na Alemanha existe sim. Para os que tem dúvidas, leiam reportagens sobre as passeatas do dia 1. de maio (dia que eu evito sair na rua). Aqui uma lembrancinha a caminho do trabalho, ontem:


Mas nada de pânico, a chance de te acontecer algo ruim aqui por você ser estrangeiro é muito menor que no dia a dia no Brasil...e se a situação ficar crítica, sempre temos para onde voltar ;)

Bauernsalat

E depois de ter comido o bolo de cenoura com amêndoas em dois dias (só eu e o namo, sente o drama), fiquei com muito peso na consciência e resolvi fazer salada de almoço no domingo na esperança de compensar o crime anterior... Ficou muito gostosa e por isso vou compartilhar (mas não matou a fome e acabamos comendo de novo poucos minutos depois rs).

Ingredientes (2 pessoas):

- 200g de tomates
- 250 g de pepino
- 1 cebola roxa
- 150 g de pimentão verde
- 50 g de azeitonas pretas sem caroço
- 2 colheres de sopa de azeite de oliva
- 1,5 colher de sopa de vinagre
- sal e pimenta à gosto
- 100 g de queijo de ovelha (queijo feta)
- 1/4 de colher de chá de óregano desidratado
- salsinha
- "paprika" em pó

Preparo:

Lave o tomate e o pimentão, descasque o pepino e a cebola. Pique o tomate em 8 pedaços (na forma de gomos de laranja), o pepino em rodelas, o pimentão em tirinhas, as azeitonas ao meio e a cebola em rodelas bem finas, coloque tudo em uma tigela grande. Misture o azeite, o vinagre o sal e a pimenta em um potinho ou copo para fazer o molho da salada. Jogue sobre os legumes picados e misture bem. Pique o queijo feta em quadradinhos e jogue sobre a salada. Pique a salsinha (bem pequeno) e espalhe a salsinha, o orégano e a paprika em pó sobre a salada. Misture tudo e sirva:



domingo, 16 de novembro de 2014

Bolo de cenoura com amêndoas delícia

Yessssssssssssss, eu finalmente acerteiiiii! Depois de decepcionar o namo com um bolo de cenoura vegan um tempo atrás, resolvi tentar mais uma vez. Em um dos meus mil livrinhos de receita tem uma receita que achei simpática e ontem coloquei as mãos na massa (ou melhor, a batedeira). Ficou M-A-R-A!

 

Ingredientes:

- 4 ovos
- 200 g de açúcar
- 300 g de cenoura ralada
- 100 g de farinha de trigo branca
- 25 g de farinha de trigo integral (ou mais 25 g de farinha branca)
- 300 g de amêndoa ralada (em pó)
- 1 colher de sopa de fermento em pó
- 30 g de manteiga
- 1 pitada de sal

Preparo:

Separe as gemas das claras. Bata as claras em neve com uma pitada de sal (com a batedeira) e reserve. Misture as gemas com a manteiga e o açúcar, peneire a farinha e o fermento sobre a massa e misture novamente. Adicione a cenoura e a amêndoa, misture. Agora adicione a clara em neve aos poucos, sempre mexendo cuidadosamente com uma colher. Quando a massa estiver homogênea, espalhe em uma forma untada e asse a 175°C por aprox. 40 - 60 minutos. Não colocamos cobertura pois ficou bem docinho mas pode colocar um brigadeiro por cima rs... Combina muito com chá no café da tarde!

sábado, 15 de novembro de 2014

Raizes desconhecidas

Meus pais sempre nos explicaram que na nossa família (como em muitas famílias brasileiras) tem de tudo. Enquanto alguns dizem "sou descendente de alemães", outros são descendentes de poloneses e italianos. Agora quando alguém me pergunta sobre a origem da minha família, a resposta é um pouquinho mais longa: "hmmm italianos, espanhóis, portugueses, índios, africanos... e segundo minha vó tem alguns austríacos no meio também...".

Bom, "kein Wunder" (nenhum espanto) que tenho parentes ruivos, negros, loiros, uma irmã de olhos claros e cabelos cacheados, outra parecida comigo mas muito mais desbotada... garanto que tem gente para todos os gostos. Acontece que depois que vim para a Alemanha, descobri que não pareço brasileira, italiana, portuguesa ou sei lá mais o q.... aqui todo mundo acha que sou turca (EEEEEee!! #sqn). Nos primeiros anos em Mannheim (a segunda cidade com o maior número de turcos depois de Berlin) fui abordada inúmeras vezes na rua por turcos e em turco. Na época pensei: "aaa Lívia, vc nem se parece tanto com eles... é "só" a cor da pele, do cabelo, dos olhos e a quantidade de pêlos". Também achava que como estava no antro da comunidade turca fora da turquia, as pessoas assumiam que eu era turca sem muito fundamento e sem pensar muito a respeito ("ela não parece alemã, logo deve ser turca").

Ao me mudar para uma vilinha no coração da Schwabenland só fui abordada em turco uma vez (provavelmente pela única pessoa turca que morava lá) e esqueci que talvez (e só talvez) eu pareça turca. Não pesquisei mais sobre minhas origens e esqueci o assunto...

Em abril desse ano finalmente tive a oportunidade de viajar com minha querida e amada irmã e um dos nossos destinos foi a.... adivinheee.... Turquiaaaaa! Fiquei um pouco preocupada por sermos mulheres e pesquisei bastante sobre como se comportar para não chamar atenção. Conversei bastante com minha irmã (que tem o maior sorriso e a risada mais alta e gostosa do mundo) para que ela também tomasse cuidado e lá fomos nós: duas mulheres jovens passeando desacompanhadas em um país mega conservador... sehr gut (muito bom) Lívia.

A surpresa positiva (pelo menos para essa viagem): eu descobri pq todo mundo acha que sou turca... eu realmente pareço uma turquinha, minha gente! Se não fosse minha irmã (branca, sorridente, com pernas e uma bunda grande usando uma legging muito justa), não teria sido abordada nenhuma vez durante a viagem. Eu entrava nas lojas e restaurantes e era atendida em turco... pena que não sabia responder! Ninguém olhava pra mim nas ruas (como se eu fosse um deles). Encontrei minhas raízes e me senti até na obrigação de tirar uma foto vestida à caráter em Istambul:


Agora que voltei para Mannheim, já fui abordada mais de uma vez em turco, fiz uma inimiga turca no ponto de trem (que tentou conversar em turco comigo e ficou brava pq respondi em alemão) e estou pensando seriamente em aprender a língua para evitar mais desentendimentos com os meus "conterrâneos".... É, acho que meus pais me engaram a vida toda!

domingo, 9 de novembro de 2014

Um jornal ou um doce?

Às vezes (bem às vezes) fico orgulhosa de mim mesma... sexta passada (31.10.) foi um dia desses. Lá estava eu, feliz e contente por ser sexta feira e hora de vir para Augs ao encontro do namo, mas ao mesmo tempo muito entediada por ter que esperar uma hora na estação até meu trem chegar. A pão dura aqui compra tickets com meses de antecedência para pagar mais barato e pega sempre horários tardes por segurança (nunca se sabe o q vai acontecer no trabalho ou "allgemein"). No fim sempre acabo ficando uma hora à toa na estação de trem.

Bom, quando eu fico com tédio (e não estou em um ambiente onde posso fazer exercícios ou dormir, como por ex. em uma estação de trem), apelo para meus queridos amigos doces. Pode ser uma barra de chocolate de "apenas" 300g ou um mega pedaço de bolo (de preferência com recheio e muito chocolate por cima). Acontece que dessa vez eu fui de uma confeitaria/padaria para outra e nada me apeteceu. E agora, como passar meu tempo sem gastar muito dindin? (pq em uma crise dessas já comprei um livro fenomenal, mas bem carinho) E nesse momento tomei uma atitude nada "Lívia de ser" mas muito madura, eu comprei o meu primeiro jornal!! Me julguem se quiserem, mas aos 28 aninhos eu nunca havia comprado um jornal na minha vida, fato. E eu sou tão intelectual que nem comprei Bild (para quem não sabe, a Bild é tipo a "tititi" dos jornais, bem baixo nível mesmo), mas sim Süddeutsche Zeitung‎.

Fui toda feliz para a plataforma passar frio e descobrir como se dobra (ou não) um jornal. A viagem de três horinhas passou voando e eu fiquei um pouco menos alienada (pq né, não tenho nem internet nem TV durante a semana e durante o fds aproveito o tempo com o namo, logo não sei de nada do q acontece no mundo atualmente). Um orgulho! E vem tanta informação no jornal que tive material para ler a semana inteira (nem acredito que tem gente que compra jornal todo dia, não dá tempo de ler, impossible!).

Essa sexta feira estava mais uma vez na minha querida estação de todos os fins de semana e entrei na mesma crise de tédio... mas dessa vez acabei escolhendo o doce mesmo (eita Käsekuchen delicioso do Yorma!). Conclusão: o doce acaba mais rápido que o jornal (se durou 5 minutos foi muito). Solução: um pacotinho de salgadinho chips "de sobremesa"...

É Lívia, você não tem salvação mesmo (semana que vem tento ficar com o jornal, juro!).

Beijinhos

Pq festa de aniversário sem beijinho e brigadeiro não tem graça...

Ontem um brasileiro resolveu fazer uma festa surpresa para a namorada (também brasileira) e pediu para a "máfia" brasileira aqui da cidade dar suporte. Eu me ofereci para fazer beijinhos (fácil e rápido, minha cara). Até teria me oferecido para fazer brigadeiros também, mas juro que nunca consegui acertar o ponto com o leite condensado da Alemanha. Compartilho aqui a receita mega prática, não tem como falhar!

Ingredientes (33 unidades):

- 1 lata de leite condensado
- 1 colher de sopa de manteiga (de preferência sem sal)
- 3-5 colheres de sopa de côco ralado (mais ou menos "coquento", vai de gosto)
- 1 gema peneirada
- côco para polvilhar
- 33 cravos da índia para enfeitar (opcional, nem todo mundo gosta do cheiro e do gostinho que ele deixa)
- 33 forminhas

Em fogo médio misture o leite condensado, a manteiga, a gema e o côco. Mexa devagar até obter uma massa homogênea. Abaixe o fogo e continue mexendo (rápido para não queimar ou formar pelotes). Quando não aguentar mais mexer e a massa estiver desgrudando da panela (arraste a colher no fundo, se a massa estiver no ponto dá pra ver o fundo da panela por um tempo), desligue o fogo e coloque a massa para esfriar. Se estiver fazendo 5°C lá fora e estiverem renovando seu prédio, coloque a panela no andaime na frente da janela da sala que esfria rapidinho :P


Quando a massa estiver morna/fria, molhe as mãos para que a massa não grude e paça bolinhas de aproximadamanete 3 cm de diâmetro. Passa no côco e coloque em forminhas, voilà:



Fiz três receitas (um cento bzw. quatro pratinhos desses da foto) para 10 pessoas. Como tinha muita comida (e beijinho é muito doce), sobrou metade. Fica a dica de quantidade para quando fizerem para alguma festinha (que não tenha só beijinhos para comer ou crianças, claro).

domingo, 2 de novembro de 2014

Enganando... pode isso produção?

Já faz um tempinho que fomos convidados para uma feijoada na casa de uma baiana original. Aceitamos e, como somos pessoas educadas e finas (#sqn), resolvemos levar algo em agradecimento. O problema? Geralmente sou eu quem cuida desse tipo de tarefa e ontem foi feriado (eu nem lembrava). Uma amiga do trabalho me disse na sexta: "não esquece que amanhã é feriado e vai estar tudo fechado hein, tem que fazer compras pro fds hj...". Peguei o tel e fui lembrar o namo de comprar algo para a nossa anfitriã de sábado (eu estava no trabalho). Uma coisa que quase nunca tem erro é chocolate, então falei para ele comprar uma caixa de algum chocolate bom e bonito (tipo Lindt). Acontece que ele só passou no Norma (Discounter, supermercado barato) e me comprou uma caixa de chocolates suíços da marca "pobre", muito bonita por sinal:


Nada contra os produtos de Discounter, eu vivo deles, mas é o tipo de coisa que não se pode dar de presente, pelo menos não para pessoas que moram na Alemanha e conhecem as marcas (e as "não-marcas" também). Como eu cheguei quase dez da noite aqui em Augsburg e só fiquei sabendo dos chocolates nessa hora, não dava mais tempo de arrumar a situação. E agora, o q fazer ou o q levar de presente??! Em casa não tinha nada...

Aháááá, a boa idéia da vez: reembalar os chocos em uma embalagem bonitinha e sem marcas. Aproveitei o kit de caixas D.I.Y. que comprei algum tempo atrás e colocamos mãos à obra. Os chocolates baratos e sem marca se transformaram em chocolates caseiros feitos com amor:


Experimentamos os seis chocolatinhos que não couberam na caixinha nova para desencargo de consciência. E não é que eles são deliciosos?? O resto do sentimento de culpa e enganação passou e fomos felizes e contentes para a feijoada brazuca... Também levamos uma Cava da Freixenet e um bocado de fome. E agora sabemos "o q é q a baiana tem", oooo feijoada deliciosa!

terça-feira, 28 de outubro de 2014

bahn.bonus

Quem me conhece sabe que eu procuro mil e uma maneiras de economizar aqui ou pelo menos nao gastar tanto ali. Maior ainda foi minha alegria ao receber um email da Deutsche Bahn (DB) (empresa de trens) comunicando a promocao da vez. O esquema deles de pontos funciona assim: qualquer um pode se cadastrar no sistema de pontos, o bahn.bonus. Todas as vezes que você compra passagens e avisa o número do seu cadastro (ou do seu cartao, caso você tenha), vc acumula pontos que podem ser trocados por prêmios (objetos, descontos ao alugar carros, passagens, etc.). Você também pode juntar pontos gastando com alguns parceiros da DB. Eu sempre viajo de trem entao acabo juntando bastante... a cada 1 Euro gasto vc ganha 1 ponto... eu já juntei alguns mil (consequências de um relacionamento a distância) e já troquei por passagens (geralmente por Bayern-Tickets). A promocao do momento permite que você ganhe 500 pontos jogando um joguinho mega besta: vc precisa encontrar bichinhos felpudos no meio de textos da DB com uma lupa e a cada duplinha que vc acha, vc ganha 2 pontos. O mais legal: vc pode jogar quantas vezes quiser até atingir 500 pontos. É o q eu junto depois de gastar 500 euros, mas me custou muito menos (10 minutos da minha vida). Se vc ainda n brincou, corre lá ;).






sábado, 25 de outubro de 2014

♥ Max Factor - Skin Luminizer Foundation ♥

Se cadastrar para receber a Newsletter da ROSSMANN para bloggers e se candidatar para testar produtos vale a pena. Esse fds fui recebida com um pacote surpresa (chegou durante a semana), e o q tinha dentro me deixou muito muito muiiiiito feliz: a Foundation Skin Luminizer da Max Factor! Achei a embalagem a coisa mais linda...


Não sou muito de passar base, foundation ou qualquer outro tipo de produto semelhante no rosto todo pq morro de medo de ficar parecendo essas pessoas com massa corrida, como se estivessem usando uma máscara. Acho péssimo e sei que produtos bons geralmente são muito caros (minha irmã usa sempre uma maravilhosa da CLINIQUE). Bom, eu tenho uma aqui em casa para momentos de emergência ou para a night, mas não acho lá aquelas coisas. Fui correndo provar, testei primeiro na mão:


O aplicador/dosador é muito prático, consegui colocar exatamente a quantidade que queria sem fazer meleca:


Também achei a consistência ótima. É muito fácil de espalhar, o creme não é nem muito grosso e nem muito líquido. Uma pequena quantidade cobre uma área bem grande. No sol dá pra ver que a Foundation tem uns brilhinhos muito suaves, que realmente dão um efeito de iluminação (não deu pra pegar com a câmera "ótima" do celular):

 

A cor natural ficou muito clara na minha mão, mas como a pele da mão geralmente é mais queimadinha mesmo, não encanei muito e fui logo fazer a maquiagem do dia para ficar com uma carinha mais saudável (ainda mais pq foi dia de almoço especial huhuhu). A Foundation tem uma cobertura ótima e não ficou nada artificial. Ameiiiiiiiiiii o resultado!

Nem na luz do dia chuvoso de hoje (aquela que mostra até o poro do poro) dava pra ver que eu estava com o rosto bem coberto (meu namorado teria soltado um comentário, já passei por isso com a foundation que eu já tinha em casa: "Lindinha, essa maquiagem se acumula no canto dos olhos e evidencia seus pés de galinha")... A pele ficou bem homogênea e meu namorado disse: nossa como você tem a pele bonita (ou seja, o produto é bom mesmo.. ou ele percebeu que me empolguei com o presentinho novo e resolveu agradar, mas acho que está mais pra primeira opção mesmo).

Fiquei mais feliz ainda ao descobrir que a belezinha não é cara... por 15 eurinhos você compra um vidrinho. EEEEEEEEEEEEEEEEeee!