domingo, 21 de junho de 2015

Isn´t it ironic???

Provavelmente quando nasceu meu primeiro dente, comecei a roer as unhas. Esse foi um vício que me perturbou a vida inteira e me fazia inclusive esconder as mãos horrorosas. Minha mae até que tentou ajudar: com pimenta, com esmalte com gosto ruim, pintando os cotocos bonitinhos para ver se eu os deixava crescer. Fato é que nunca funcionou... até o belo dia que o namo disse: "que feias suas unhas". Pronto, problema resolvido: comprei esmalte (no comeco clarinho para nao chamar muita atencao) e pouco tempo depois usei um cortador de unhas pela primeira vez nas unhas das mãos, mágico. Se eu soubesse que seria tão fácil daria um jeito de ter conhecido o namo com toda a sua sinceridade antes hehehe.

Depois disso peguei uma certa obsessão por esmaltes, era só ver um vidrinho novo com uma das minhas cores favoritas que abria a mão. A coleção foi aumentando e hoje tenho uma variedade que (se não fosse a validade), duraria fácil fácil até 2020. Nos últimos tempos também parei de tirar as cutículas e elas finalmente estavam bonitinhas (antes eram avermelhadas, pareciam sempre inflamadas). Consegui, estava com orgulho das minhas mãos e evolui para a fase: quero anéis!!!!

Ganhei um da mamis (de quando ela tinha 17 anos) e comprei um de festa bem bonito, cheio de zirconias, para o casamento que fui em abril. Para esse casamento fiz inclusive nõ só a minha mão (a mais bonita que já fiz até hoje, recebi vários elogios), como a de uma das minhas irmãs e a da mãe da noiva: sente a responsa.

Meu anel de festa ♥


E estava tudo lindo nessa "área da minha vida", mas acho que Murphy realmente não sai do meu pé... porque umas duas semanas depois eu reparei que uma das minhas cutículas estava descolada e ao invés de unha tinha um buraco na região da matriz (onde fica aquela meia lua na base). Googlei... e quanto mais googlava, mais entrava em pânico. Isso foi uma segunda feira, na quarta tinha mais três dedos com cutícula descolada e com unha estranha crescendo, uma unha deformadinha que solta caspinhas... Me segurei para não contar pro namo no telefone mas na sexta cheguei chorando na Bahnhof: "to ficando sem unha!! Você me ama igual, mesmo sem unhas???" #dramamodeon

A esse ponto eu já tinha feito uma lista com as possíveis doenças e já havia mandado uma foto para a irmã médica (psiquiatra megaaaaa especialista em unhas, mas enfim, ela teve que passar por dermo na facul rs):
- doenças degenerativas
- disfunção da tireóide
- falta de vitaminas e ferro (essa foi a que minha irmã chutou)
- fungos ou bactérias nas unhas
- algum tipo de câncer (o google acha que câncer é a resposta para tudo)

Tenho que admitir que a sessão "imagens" da minha busca foi chocante e piorou meu quadro psicológico. O namo me acalmou mas além de voltar a esconder as mãos, passei a conferir as unhas a cada cinco minutos... e marquei um horário com minha médica.

A Hausärztin é uma fofa mas não conseguiu ajudar: "estranho... muito específico...mas definitivamente não são fungos... aqui o encaminhamento pro dermatologista".

Nisso voltei a ter dores fortes no pulso direito (que me incomoda há muito tempo, vemmm e vai embora) e resolvi pesquisar algo como: "dor no pulso + unha deformada"... e como o google tem resposta para tudo, ele acertou o diagnóstico do dermatologista antes mesmo na minha consulta.

Para não influenciar o diagnóstico cheguei quieta no dermo e só mostrei as unhas deformadas... e ele me surpreendeu com a pergunta: "problemas com alguma articulação??"... e nessa hora eu já sabia o que eu tinha: "sim, joelhos e pulsos". (lembram do meu joelho de corredor??? pois é...)

O nome do remédio para as unhas já diz tudo: Psorcutan --> psoriasis, minha gente... na Alemanha popularmente conhecida por Schuppenflechte. Não tenho as erupções cutâneas (pelo menos ainda não e espero que continue assim), mas algumas articulações e minhas unhas estão betroffen...

Foi um mix de sentimentos: alívio por saber o que tenho, desespero por saber que não tem cura e por saber que talvez fique sem unhas... depois de uma vida lutando por unhas bonitas (e finalmente conseguindo)... Além de não conseguir mais fazer flexão e várioooos exercícios em posições que exigem os punhos como apoio (tipo quase todas da ioga e do body balance, meu grande amor)... Isn´t it ironic???? Don´t you think???

E aqui estou eu, passando remédio todos os dias para o resto da minha vida em todas as unhas, com unhas curtíssimas, deformadas e sem cor, com cutículas descoladas, escondendo as mãos horrorosas (ainda bem que tenho prática) e com consciência de que poderia ser pior, mas P. da vida por ser doch Scheiße.

Mundo... leck mich.